ANÁLISE DA POSTURA SENTADA


A postura sentada, segundo Nascimento & Moraes (2000), na maioria das vezes, não resulta em um relaxamento da musculatura corporal e em um trabalho mais fácil e confortável. Condições favoráveis somente serão alcançadas nesta postura quando a cadeira é perfeitamente adequada às características anatômicas do usuário.

Na postura sentada as pernas permanecem inativas por longo período, prejudicando a circulação sangüínea, podendo ocorrer, também, compressão na região poplítea. E, conforme gráfico abaixo, ocorre aumento da pressão discal na região lombar, sendo esta superior à postura de pé.

Por exemplo, uma pessoa de 70 Kg, sofre uma pressão de aproximadamente 150 Kg no 3º disco lombar na postura sentada, sendo que na postura de pé essa pressão reduz para 100 Kg.

Portanto, há uma necessidade de compensação de sobrecarga na região lombar e estímulos para ativar a circulação dos membros inferiores.

As conseqüências da postura sentada são:

• Flacidez dos músculos abdominais;

• Alterações das curvaturas vertebrais (Antero pulsão cervical, aumento da cifose dorsal e retificação da lordose lombar);

• Convergência das costelas superiores, com diminuição da amplitude de seus movimentos;

• Diminuição da expansão diafragmática; e

• Pressão assimétrica nos discos intervertebrais (degeneração precoce da coluna vertebral).

Postura descontraída:

O efeito de diferentes modos de sentar, bem como ângulos de assento já foram analisados e mostra que tanto a posição descontraída quanto à posição curvada para frente com cotovelos apoiados causam uma pequena pressão nos discos intervertebrais.

Pesquisas mostraram que na postura ereta de sentar há uma forte atividade elétrica visível dos músculos das costas em relação a uma postura descontraída de sentar, como o tronco levemente inclinado para frente.

Existe um grande conflito entre as necessidades dos músculos e as necessidades dos discos intervertebrais. Para a musculatura uma posição levemente inclinada para frente é o recomendável, já para os discos é melhor uma posição ereta. Assim, torna-se compreensível, o que já foi mencionado, que a postura do sentar é um problema para a coluna vertebral e para a musculatura das costas em relação à postura de pé.

Segundo Krämer, as necessidades nutritivas dos discos intervertebrais. Os interiores dos discos intervertebrais não são irrigados pelo sangue; o abastecimento de substâncias nutritivas ocorre por difusão dos líquidos tissulares através do anel fibroso. Krämer conseguiu provar que a carga sobre os discos intervertebrais causa um desnível da difusão de dentro para fora, de modo que os líquidos tissulares fluem de dentro dos discos intervertebrais para fora. Se a carga dos discos intervertebrais diminui, o desnível da difusão ocorre em sentido contrário, e as substâncias nutritivas fluem com os líquidos de fora para dentro dos discos intervertebrais. Krämer concluiu que uma troca freqüente de carga dos discos intervertebrais é importante para a sua nutrição e manutenção da saúde. O “mecanismo de bomba da nutrição” seria promovido pela alternância de carga e alívio dos discos intervertebrais. Daí conclui que por interesse médico, no local de trabalho deve haver uma eventual alternância de sentar curvado para frente e sentar ereto.

FONTE: http://silsouza.blogspot.com.br

»
«

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *