Jornal da Tarde


Jornal da Tarde

Sexo e pilates, tudo aver

Exercício trabalha os músculos abdominais, aumentando o prazer
O pilates não serve apenas para melhorar a flexibilidade do corpo e a postura. Ele também pode ser um bom aliado da vida sexual. Os exercícios, explica o fisioterapeuta Sergio Machado, um dos sócios da Metacorpus Pilates, trabalham sistematicamente a musculatura abdominal e o assoalho pélvico. No caso das mulheres, o fortalecimento dessas regiões leva ao melhor controle dos músculos da vagina, ampliando seu potencial de prazer e também o do companheiro.

De acordo com Machado, os benefícios do Pilates começam a surgir já no terceiro mês de atividade regular. “Em três meses de aula, três vezes por semana, a pessoa tem um corpo novo”, garante ele. O controle da respiração é parte determinante para os bons resultados dos exercícios. “Melhora a harmonia e a percepção corporal, direcionando o esforço para determinada região”, completa.

Instrutora de pilates há dois anos na Academia Vila Olímpica, em Santo Amaro, Mercês Regina da Silva acrescenta que o praticante do método tem mais resistência física para prolongar o ato sexual e mais sustentação muscular para variar as posições. “Como ganha força e resistência, o corpo não fica tão cansado”, observa a profissional.

Cristiane Siqueira, de 24 anos, começou a praticar o pilates há pouco mais de um mês. Se o sexo melhorou, a resposta, segundo Cristiane, veio com a aprovação do namorado. “O pilates dá mais resistência física e mais flexibilidade, que são importantes para o sexo”, comenta. Ela garante que, após três meses, já conseguia sentir os benefícios dos exercícios e lamenta, agora, só poder frequentar a academia duas vezes por semana.

Para o diretor do Instituto para Saúde Sexual (Ibrasexo), Alfredo Romero, a prática de exercícios é sempre positiva para um bom sexo. “A vida sexual dos casais se norteia por padrões de boa saúde”, afirma. Isso significa, para ele, não apenas um corpo livre de doenças, mas também com peso adequado e movimentação frequente. Segundo o especialista, quase todos os pacientes que apresentam problemas de disfunção sexual têm sobrepeso ou são obesos.

Romero diz que o pilates é uma boa opção para manter o corpo bem-disposto, flexível e alongado. “Esse método une ginástica com fisioterapia e pode ser praticado por pessoas de qualquer idade”, avalia. “O pilates devolve o equilíbrio e a elasticidade e reúne uma quantidade de movimentos que poucos exercícios trabalham de uma só vez”, completa. O ideal, garante o profissional, é fazer os exercícios durante uma hora por dia.

»
«

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *