REVISTA NOVAFISIO – EDIÇÃO 88


Há três coisas na vida que nunca voltam atrás.

“A flecha lançada, a palavra pronunciada e a chance perdida.”, diz o provérbio, que combina exatamente com a proposta da , uma oportunidade única de investir na área profissional. A proposta da Metacorpus é oferecer um curso completo que englobe desde a formação e aprimoramento para profissionais e estudantes de Fisioterapia, Educação Física e áreas afins, até direcionamentos para o sucesso de empreendimentos, como estratégias de publicidade e marketing, logística, consultoria no mercado de trabalho e montagem do Studio. Os cursos “Pilates: uma visão atual na área de saúde” e “Pilates no tratamento das patologias da coluna vertebral”, realizados em 16 estados, já formaram cerca de 8.000 profissionais.

Curso de Formação
Pilates:uma visão atual na área da saúde

Conteúdo:
Princípios do método;
Avaliação Postural;
Biomecânica dos movimentos;
Cadeias Musculares;
Pilates no solo;
Pilates nos aparelhos;
Patologias musculoesqueléticas;
Técnicas para montar uma aula;
Aprendendo a montar seu studio;
Ser um empresário de sucesso.

Curso Avançado
Pilates no tratamento de patologias da coluna vertebral

Conteúdo:
Tratamento para hérnia de disco;
Escoliose;
Hipercifose;
Hiperlordose;
Espondilólise;
Espondilolistese;
Espondilite Anquilosante;
Osteoporose;
Estabilização Postural Estática x Dinâmica;
Exercícios inéditos.

Desconto de 5% por antecipação da reserva em 30 dias.
*exceto São Paulo

Desconto de 10% por indicação de cada AMIGO no mesmo curso.

Quer montar seu estúdio de Pilates?

Nós temos a solução para o seu negócio.

Studio Metacorpus: funcionalidade e economia
Fabricada em aço inoxidável, madeira maciça de reflorestamento e courvin náutico antimofo e antifungo nas mais variadas cores, a Linha Padrão combina funcionalidade e economia sem abrir mão da beleza e modernidade.

Linha Elite: qualidade insuperável
Os aparelhos da Linha Elite oferecem alto grau de qualidade, com otimizações que facilitam o trabalho no dia a dia, além de dois anos de garantia contra defeitos de fabricação.

Linha Clinical: um trabalho diferenciado
A Linha Clinical foi desenvolvida com a mesma tecnologia empregada na fabricação da Linha Elite e adaptada para um trabalho preventivo e de reabilitação.

Já imaginou conquistar clientes sem fazer nada?

Lucros na venda de equipamentos.
Divulgação gratuita no maior portal de Pilates do país.
700 studios credenciados e mais de 40 mil praticantes de Pilates no Brasil.
Credibilidade respaldada pela Metacorpus.
Seja credenciado pela Metacorpus.

PROPOSTA DE AULA DE PILATES EM CIRCUITO

INTRODUÇÃO
O método de treinamento circuito, também chamado de circuit training, foi proposto pela primeira vez por Morgan e Adamson (1959), da Leeds University, como método para o desenvolvimento de aptidão física geral. Sua rotina inicial de treinamento em circuito consistia de várias estações arranjadas em círculo, de modo a trabalhar grupos musculares alternadamente, de uma estação para outra.

OBJETIVO
O presente estudo visa associar o método Pilates em uma aula de circuito.

MÉTODO
Este estudo foi do tipo ensaio clínico exploratório longitudinal, realizado no Studio da Metacorpus na cidade de São Paulo, unidade Paulista. Teve duração de 4 semanas, entre junho/julho de 2012. Para o presente estudo foi selecionada aleatoriamente uma aluna previamente hígida, gênero feminino, idade de 21 anos e sedentária. A mesma realizou três aulas para adaptação ao método Pilates, seguida por avaliação inicial, explicação do protocolo de exercícios e reavaliação. O protocolo de exercícios foi realizado 3 vezes por semana com duração de 1h15minutos cada sessão, durante 4 semanas, totalizando 12 aulas. Para avaliação e reavaliação do parâmetro de aptidão cardíaca utilizamos o teste da caminhada de seis minutos (TC6) e Escala Modificada de Borg. A aluna foi solicitada á caminhar de um extremo ao outro de uma pista de 20 metros na maior velocidade possível durante os seis minutos. Foram coletados dados de, frequência cardíaca, frequência respiratória e nível subjetivo de dispnéia e fadiga muscular (Escala Modificada de Borg) antes, no final e depois de 1 minuto ao término do teste. A Escala Modificada de Borg é uma escala vertical, quantificada de 0 à 10. Sendo 0 nenhum sintoma e 10 sintoma máximo. A pessoa foi orientada a escolher uma única pontuação que refletisse o seu grau de dispnéia e fadiga muscular (CAVALLAZZI TGL et al ; 2005)

O protocolo de exercícios proposto foi dividido em três partes:

- parte inicial: realizada com exercícios compostos, visando mobilizar grandes articulações e grupos musculares, preparando o corpo para a parte principal da aula. Exercícios utilizados: spine stretch variação, stomach massage variação, hamstring stretch variação. Foi utilizado apenas um desses exercícios por aula.

- parte principal: Foram realizados exercícios do Método Pilates e exercícios adaptados em forma de circuito. Cadillac: arms pulling, agachamento na barra torre, bicycle adaptado. Meia Lua: side body twist Combo Chair: tríceps sit, footwork v position, pull up, footwork adaptado. Reformer: arms up and down, footwork toes, the hundred variação e salto na Jumpboard.

- parte final: a aluna executou exercícios de alongamento do Método Pilates com o objetivo de retornar a calma. Em cada aula foi utilizado somente um aparelho e o rolo. Exercícios realizados: Cadillac: spine stretch, mermaid. Reformer: stomach massage, mermaid. Combo Chair: hamstring stretch, side arm sit Rolo: alongamento de peitoral.

RESULTADOS
Foi possível observar que a aluna apresentou após a realização do TC6 uma Fc final de 130bpm e após 1 min de recuperação a Fc atingida foi de 118bpm. Passado o período de aplicação das 4 semanas do protocolo de exercícios, o teste foi reaplicado e a Fc final foi de 157bpm, já a Fc após 1 min de repouso foi de 120bpm, mostrando assim que no período de 1 minuto de repouso na reaplicação do teste, a aluna recuperou 37bpm. Isso sugere resposta positiva ao condicionamento cardiovascular como pode ser observado no Gráfico 1. Segundo o Gráfico 2, a aluna aumentou sua distância percorrida. Inicialmente percorreu 657 metros e após a aplicação do protocolo de exercícios a mesma percorreu 680 metros. O Gráfico 3 mostra melhora no desempenho da aluna em relação a dispnéia. Esta analise foi realizada através da Escala Modificada de Borg, onde no primeiro teste, o Borg D inicial foi 3 e após o percurso foi 6 e no último teste, o Borg D incial foi 0 e final foi 4.

DISCUSSÃO
O parâmetro utilizado para verificar a melhora da adaptação cardiovascular foi a aferição da FC. Estudos apontam que indivíduos que apresentam, bom condicionamento cardíaco, tendem a ter uma FC de repouso baixa e uma melhor recuperação dos batimentos cardíacos após o esforço físico; (ALMEIDA BM, ARAÚJO SGC, 2003; ALMEIDA BM, 2007). No presente estudo, a FC final aferida no primeiro TC6 foi de 130 bpm, após 1 minuto de repouso obtivemos o valor de 118 bpm, dessa forma, através da diferença da FC final e após um minuto de repouso, obtivemos o valor da recuperação igual a 12 bpm. Segundo Almeida e Araújo (2003), recuperações de batimentos cardíacos menores ou iguais a 12 sugerem um resultado desfavorável em relação à adaptação cardiovascular. No segundo teste, após 12 aulas, essa diferença foi de 37 batimentos cardíacos, o qual evidência melhora na adaptação cardiovascular. Porém, isso não significa que o mesmo seja melhor condicionado aerobicamente (MORAES RS et al; 2005). Outro dado observado durante o TC6 foi a dispnéia, através da Escala Modificada de Borg. Durante o exercício, as concentrações arteriais de dióxido de carbono e hidrogênio se elevam, excitam o centro respiratório e aumentam a profundidade e a frequência da respiração. A incapacidade de ajustar esses gases adequadamente, no decorrer da atividade física, está relacionada à baixos níveis de aptidão aeróbica e da musculatura ventilatória pouco condicionada (MCARDLE WD, KATCH FI, KATCH VL, 2003). Isso foi observado neste estudo, no qual, a Escala Modificada de Borg, referente à dispnéia, apresentou um aumento do esforço ventilatório, tanto na primeira como na última aula, se compararmos somente os valores finais (Borg dispnéia 6 e borg dispnéia 4), respectivamente. Bem como, o cansaço inicial na primeira aula foi maior que o cansaço inicial da última (Borg dispnéia 3 e Borg dispnéia 0), respectivamente; o que predispõe de forma subjetiva uma melhora do condicionamento ao exercício.

CONCLUSÃO
Observamos que no treinamento em circuito no Pilates houve uma melhora na adaptação cardiovascular, porém não podemos afirmar que a associação do Pilates com o circuito é eficaz no condicionamento aeróbico. Como esse estudo foi de caráter exploratório, necessita-se de mais estudos a fim de se obter dados conclusivos. O presente estudo não leva em consideração o nível de condicionamento aeróbico, mas sim uma melhor adaptação cardiovascular.

PROPOSTA DE AULA DE PILATES EM CIRCUITO

INTRODUÇÃO
O método de treinamento circuito, também chamado de circuit training, foi proposto pela primeira vez por Morgan e Adamson (1959), da Leeds University, como método para o desenvolvimento de aptidão física geral. Sua rotina inicial de treinamento em circuito consistia de várias estações arranjadas em círculo, de modo a trabalhar grupos musculares alternadamente, de uma estação para outra.

OBJETIVO
O presente estudo visa associar o método Pilates em uma aula de circuito.

MÉTODO
Este estudo foi do tipo ensaio clínico exploratório longitudinal, realizado no Studio da Metacorpus na cidade de São Paulo, unidade Paulista. Teve duração de 4 semanas, entre junho/julho de 2012. Para o presente estudo foi selecionada aleatoriamente uma aluna previamente hígida, gênero feminino, idade de 21 anos e sedentária. A mesma realizou três aulas para adaptação ao método Pilates, seguida por avaliação inicial, explicação do protocolo de exercícios e reavaliação. O protocolo de exercícios foi realizado 3 vezes por semana com duração de 1h15minutos cada sessão, durante 4 semanas, totalizando 12 aulas. Para avaliação e reavaliação do parâmetro de aptidão cardíaca utilizamos o teste da caminhada de seis minutos (TC6) e Escala Modificada de Borg. A aluna foi solicitada á caminhar de um extremo ao outro de uma pista de 20 metros na maior velocidade possível durante os seis minutos. Foram coletados dados de, frequência cardíaca, frequência respiratória e nível subjetivo de dispnéia e fadiga muscular (Escala Modificada de Borg) antes, no final e depois de 1 minuto ao término do teste. A Escala Modificada de Borg é uma escala vertical, quantificada de 0 à 10. Sendo 0 nenhum sintoma e 10 sintoma máximo. A pessoa foi orientada a escolher uma única pontuação que refletisse o seu grau de dispnéia e fadiga muscular (CAVALLAZZI TGL et al ; 2005)

O protocolo de exercícios proposto foi dividido em três partes:

- parte inicial: realizada com exercícios compostos, visando mobilizar grandes articulações e grupos musculares, preparando o corpo para a parte principal da aula. Exercícios utilizados: spine stretch variação, stomach massage variação, hamstring stretch variação. Foi utilizado apenas um desses exercícios por aula.

- parte principal: Foram realizados exercícios do Método Pilates e exercícios adaptados em forma de circuito. Cadillac: arms pulling, agachamento na barra torre, bicycle adaptado. Meia Lua: side body twist Combo Chair: tríceps sit, footwork v position, pull up, footwork adaptado. Reformer: arms up and down, footwork toes, the hundred variação e salto na Jumpboard.

- parte final: a aluna executou exercícios de alongamento do Método Pilates com o objetivo de retornar a calma. Em cada aula foi utilizado somente um aparelho e o rolo. Exercícios realizados: Cadillac: spine stretch, mermaid. Reformer: stomach massage, mermaid. Combo Chair: hamstring stretch, side arm sit Rolo: alongamento de peitoral.

RESULTADOS
Foi possível observar que a aluna apresentou após a realização do TC6 uma Fc final de 130bpm e após 1 min de recuperação a Fc atingida foi de 118bpm. Passado o período de aplicação das 4 semanas do protocolo de exercícios, o teste foi reaplicado e a Fc final foi de 157bpm, já a Fc após 1 min de repouso foi de 120bpm, mostrando assim que no período de 1 minuto de repouso na reaplicação do teste, a aluna recuperou 37bpm. Isso sugere resposta positiva ao condicionamento cardiovascular como pode ser observado no Gráfico 1. Segundo o Gráfico 2, a aluna aumentou sua distância percorrida. Inicialmente percorreu 657 metros e após a aplicação do protocolo de exercícios a mesma percorreu 680 metros. O Gráfico 3 mostra melhora no desempenho da aluna em relação a dispnéia. Esta analise foi realizada através da Escala Modificada de Borg, onde no primeiro teste, o Borg D inicial foi 3 e após o percurso foi 6 e no último teste, o Borg D incial foi 0 e final foi 4.

DISCUSSÃO
O parâmetro utilizado para verificar a melhora da adaptação cardiovascular foi a aferição da FC. Estudos apontam que indivíduos que apresentam, bom condicionamento cardíaco, tendem a ter uma FC de repouso baixa e uma melhor recuperação dos batimentos cardíacos após o esforço físico; (ALMEIDA BM, ARAÚJO SGC, 2003; ALMEIDA BM, 2007). No presente estudo, a FC final aferida no primeiro TC6 foi de 130 bpm, após 1 minuto de repouso obtivemos o valor de 118 bpm, dessa forma, através da diferença da FC final e após um minuto de repouso, obtivemos o valor da recuperação igual a 12 bpm. Segundo Almeida e Araújo (2003), recuperações de batimentos cardíacos menores ou iguais a 12 sugerem um resultado desfavorável em relação à adaptação cardiovascular. No segundo teste, após 12 aulas, essa diferença foi de 37 batimentos cardíacos, o qual evidência melhora na adaptação cardiovascular. Porém, isso não significa que o mesmo seja melhor condicionado aerobicamente (MORAES RS et al; 2005). Outro dado observado durante o TC6 foi a dispnéia, através da Escala Modificada de Borg. Durante o exercício, as concentrações arteriais de dióxido de carbono e hidrogênio se elevam, excitam o centro respiratório e aumentam a profundidade e a frequência da respiração. A incapacidade de ajustar esses gases adequadamente, no decorrer da atividade física, está relacionada à baixos níveis de aptidão aeróbica e da musculatura ventilatória pouco condicionada (MCARDLE WD, KATCH FI, KATCH VL, 2003). Isso foi observado neste estudo, no qual, a Escala Modificada de Borg, referente à dispnéia, apresentou um aumento do esforço ventilatório, tanto na primeira como na última aula, se compararmos somente os valores finais (Borg dispnéia 6 e borg dispnéia 4), respectivamente. Bem como, o cansaço inicial na primeira aula foi maior que o cansaço inicial da última (Borg dispnéia 3 e Borg dispnéia 0), respectivamente; o que predispõe de forma subjetiva uma melhora do condicionamento ao exercício.

CONCLUSÃO
Observamos que no treinamento em circuito no Pilates houve uma melhora na adaptação cardiovascular, porém não podemos afirmar que a associação do Pilates com o circuito é eficaz no condicionamento aeróbico. Como esse estudo foi de caráter exploratório, necessita-se de mais estudos a fim de se obter dados conclusivos. O presente estudo não leva em consideração o nível de condicionamento aeróbico, mas sim uma melhor adaptação cardiovascular.

Pratique Pilates!

Faça uma aula experimental grátis e conheça!

Nos Studios Metacorpus você encontra equipamentos de qualidade e profissionais comprometidos com sua saúde e bem-estar.

Studios Metacorpus

Rio de Janeiro

Copacabana
Rua: Barata Ribeiro, 668
(21) 4124.2576

Botafogo
Rua Voluntários da Pátria, 258
(21) 2537.2200

Ipanema
Rua Visconde de Pirajá, 595 – Sala 403
(21) 2239.2026

Tijuca
Rua General Roca, 935 – Sala 403
(21) 2569.3361

Niterói
Rua Luiz Leopoldo Fernandes Pinheiro, 521 sl. 603
(21) 2613.2485

Rio Grande do Sul

Auxiliadora
Travessa Saúde, 22/203
(51) 3072.7266 / 3333.6543

Fortaleza

Aldeota
Rua Silva Paulet, 1963
(85) 3021.6371

Goiâniaa
Rua C-235, Quadra 135, Lote 16/17 , 79
(62) 3091.1769

Curitiba

Santa Felicidade
Av. Manoel Ribas, 5.600 – Sobreloja
(41) 4141.4270

Batel
Av. República Argentina 210, Sala 1001

Florianópolis
Av. Othon Gama D´eça, 907
(48) 3224.3700

Belo Horizonte
Av. Afonso Pena, 3.355 – Loja 2
(31) 4103.4430

São Paulo

Cerqueira César
Av. Paulista, 1.159 sls. 1503 a 1506
(11) 4115.4333

Jardim Paulistano
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1690 conj. 161
(11) 3034.3119

Higienópolis
Rua Pará, 65 – 7ºandar – Conjunto 71
tel.(11) 4119.8878

São José dos Campos
Rua: Euclides Miragaia, 433 – Sala 101
(12) 4141.2252

Malhe o ano todo com estilo

Moda fitness com mais conforto e leveza para malhar com estilo e elegância. Costuras inteligentes com princípios do Pilates. Modelos que organizam a postura. Tecidos com elastano, compressão adequada e liberda-de de movimentos. Ação termodinâmica, ajudam na absorção do suor.

Ação antibacteriana e Antipeeling, não dá bolinhas e não machuca a pele. Proteção contra raios UVA e UVB. Efeito firmador da cor. T-Shirts e Babylooks de Fibras de Bambú.

Pratique seu exercício físico de forma mais sustentável!

Conheça nossos combos de revenda e incremente o seu negócio com exclusivas peças de Moda Fitness!
21 3976.0303
www. metacorpuspilates.com.br
grife@metacorpus.com.br

Faça seu pedido e lhe entregamos com toda a comodidade.

Pontos de Venda: Rio de Janeiro: Copacabana (21) 4124.2576
São Paulo: Cerqueira César (11) 4115.4333 – São José dos Campos (11) 4141.2252
Belo Horizonte (31) 4103.4430
Curitiba: Santa Felicidade (41) 4141.4270
Rio Grande do Sul (51) 3072.7266
Fortaleza (85) 3021.6371
Goiânia (62) 3091.1769

Agenda

Curso de Formação

Belo Horizonte
23, 24 e 25 NOV Mód. I
30, 01 e 02 NOV/DEZ Mód. II

São Paulo
19, 20 e 21 OUT Mód. I
26, 27 e 28 OUT Mód. II

São José dos Campos
19, 20 e 21 OUT Mód. I
26, 27 e 28 OUT Mód. II

Campinas
07, 08 e 09 DEZ Mód. I
14, 15 e 16 DEZ Mód. II

Brasília
30, 01 e 02 NOV/DEZ Mód. I
07, 08 e 09 DEZ Mód. II

Cuiabá
19, 20 e 21 OUT Mód. I
26, 27 e 28 OUT Mód. II

Recife
30, 01 e 02 NOV/DEZ Mód. I
07, 08 e 09 DEZ Mód. II

Florianópolis
30, 01 e 02 NOV/DEZ Mód. I
07, 08 e 09 DEZ Mód. II

Rio de Janeiro
23, 24 e 25 NOV Mód. I
30, 01 e 02 NOV/DEZ Mód. II

Goiânia
23, 24 e 25 NOV Mód. I
30, 01 e 02 NOV/DEZ Mód. II

Vitória
30, 01 e 02 NOV/DEZ Mód. I
07, 08 e 09 DEZ Mód. II

Porto Alegre
23, 24 e 25 NOV Mód. I
30, 01 e 02 NOV/DEZ Mód. II

Curitiba
30, 01 e 02 NOV/DEZ Mód. I
07, 08 e 09 DEZ Mód. II

Fortaleza
19, 20 e 21 OUT Mód. I
26, 27 e 28 OUT Mód. II

Macapá
07, 08 e 09 DEZ Mód. I
14, 15 e 16 DEZ Mód. II

Curso Avançado – Pilates no tratamento de patologias da coluna vertebral

Vitória
23, 24 e 25 NOV

Goiânia
09, 10 e 11 NOV

São Paulo
07, 08 e 09 DEZ

Porto Alegre
09, 10 e 11 NOV

Rio de Janeiro
07, 08 e 09 DEZ

Fortaleza
18, 19 e 20 JAN 2013

Belo Horizonte
05, 06 e 07 OUT

Curitiba
19, 20 e 21 OUT

 

»
«

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>